Ana Laíns canta na Alemanha, Brasil, Espanha e em vários palcos nacionais

A cantora Ana Laíns está a celebrar 20 anos de música e, até novembro, tem previsto atuações em Espanha, Alemanha e Brasil.

A criadora de ‘Não Sou Nascida do Fado’ afirmou, em entrevista à agência Lusa, que “tem sido um ano em cheio”, referindo que já atuou na Turquia, Lituânia e Croácia, e a digressão nacional já passou por Vila Nova de Famalicão, Constância, Lamego ou Castro Marim.

Depois de atuar na Figueira da Foz e em Ibiza (Espanha), Ana Laíns atua hoje (31 de agosto) no Auditório Municipal de Carrazeda de Ansiães, no distrito de Bragança, ao qual volta no dia 17 de setembro, para cantar no Auditório Municipal de Mirandela.

Ana Laíns é acompanhada nestes espetáculos pelos músicos Paulo Loureiro, no piano e direção musical, Carlos Lopes, no acordeão, João Coelho, na bateria, João Ferreira, na percussão, Bruno Chaveiro, na guitarra portuguesa, e Hugo Ganhão, no baixo.

A criadora de ‘Quatro Caminhos’, em outubro, no dia 4, canta no castelo de Ourém, no distrito de Leira, continuando neste distrito onde atua no dia 14 de outubro, no Festival Literário Folio, em Óbidos.

Em novembro, viaja até ao Brasil, onde no dia 15 atua em Porto Seguro, no Estado da Bahia, de onde segue para Paderborn, na Alemanha, no dia 20, no Kulturwerkstatt.

No dia 28 do mesmo mês, Ana Laíns regressa à Figueira da Foz para subir ao palco do Centro de Artes e Espetáculos da cidade.

Ana Laíns afirmou-se “satisfeita com marco atingido”, e salientou que “celebrar 20 anos de carreira em Portugal sendo uma artista ‘outsider’ é um marco muito importante”.

Sobre os concertos, Ana Laíns afirmou que “surgem no seguimento do lançamento do álbum de 20 anos de carreira, gravado ao vivo no Casino Estoril em janeiro de 2020, e lançado a 14 de maio”.

Ainda sobre os 20 anos de carreira, Ana Lains declarou: “A minha carreira ainda é uma criança. Ainda há um mundo para fazer. Tenho muitas ideias e muita vontade de levar a cabo muitos projetos, sempre no sentido de dignificar a nossa identidade cultural”.

Exit mobile version