Cientistas descobrem “ilha mais a Norte do mundo” por acidente

Intenção dos cientistas não era descobrir uma ilha.

Cientistas anunciaram que descobriram uma nova ilha na Gronelândia, acreditando tratar-se da “ilha mais a Norte no mundo”.

“A nossa intenção não era descobrir uma nova ilha”, disse o explorador dinamarquês Morten Rasch à agência de notícias Reuters. “Só fomos lá para recolher amostras.”

Tratou-se, portanto, de uma descoberta acidental. Inicialmente, os cientistas pensaram ter chegado a Oodaaq – ilha descoberta em 1978. Mais tarde, ao verificar a localização exata, perceberam que, afinal, estavam noutra ilha, a 780 metros de distância, na direção noroeste.

A ilha mede cerca de 30 metros de diâmetro e surgiu devido a uma movimentação na camada de gelo do ártico. Tem um pequeno pico de três metros de altura e é formada por acumulação de lama e sedimentos que se desprenderam dos glaciares. A equipa quer batizá-la de “Qeqertaq Avannarleq”, que significa “a ilha mais a norte”.

Apesar de ter sido exposta pelo deslocamento da camada de gelo, os cientistas afirmam que o aparecimento da ilha não é uma consequência direta do aquecimento global, que tem reduzido a camada de gelo da Gronelândia.

Agora, para o território ser considerado parte da Gronelândia ainda é preciso que o governo dinamarquês o reconheça, o que poderá ser feito se a ilha continuar visível mesmo com a maré alta.

Exit mobile version