CPLP quer mais jovens na ação em favor da eficiência de sistemas alimentares

Uma coligação internacional para a promoção de sistemas alimentares territoriais sustentáveis deve ser lançada em março deste ano, numa parceria liderada pela Comunidade dos Países da Língua Portuguesa, CPLP.

Em dezembro último, o diretor de Cooperação do bloco da CPLP, Manuel Lapão, explicou, numa entrevista à ONU News, como jovens dos nove países-membros têm espaço de atuação na iniciativa. O bloco mobiliza países e parceiros a participar na aliança.

“A população vulnerável sofre na pe­le, em primeiro lugar, as implicações daquilo que eu, há pouco, colocava: das mudanças climáticas, da dificulda­de de acesso a alimentos, do acesso à saúde, do acesso à escola, ao primeiro emprego e enfim. Esse de facto é um tremendo desafio para a CPLP”, disse Manuel Lapão e acrescentou que os contatos em curso abordam vias para definir quais os possíveis modelos de governança a adotar com a ação de jovens em todo o bloco.

“Como envolver os jovens nesta coligação? Os jovens têm de ser cha­mados para o processo de tomada de decisão. O que a CPLP tem feito nos últimos anos, com a sua estrutura de cúpula da juventude que é o Fórum de Juventude da CPLP, é procurar trazer a presença de jovens para onde se decide sobre vários assuntos: reuniões ministeriais de vários setores para que a voz dos jovens possa ser ouvida e possa ser tida em conta nas decisões questão a ser adotadas”.

Em 2011, a CPLP definiu o grupo como prioritário numa das áreas de interven­ção da Estratégia de Segurança Alimen­tar e Nutricional. A promoção do acesso e utilização dos alimentos para melhoria dos modos de vida tem os jovens como atores chave a alcançar.

Na nova aposta, o representante vê campos de atuação para corresponder às aspirações juvenis.

“Na singularidade da nossa comuni­dade, sendo uma organização de concer­tação política e diplomática, temos que trazer os jovens para que a sua voz seja ouvida e as decisões incorporem aquilo são os seus problemas, os seus anseios e os seus desejos. E a partir daí, nós poderemos esperar que, provavelmente, essas políticas ao ser implementadas sejam conducentes a um melhor enqua­dramento da temática da juventude. Mas se há um desafio que pode ser uma oportunidade para o futuro da CPLP é trabalhar cada vez mais próximos da nossa juventude”.

Para além de encontros com os repre­sentantes dos Estados-membros da orga­nização junto das Nações Unidas foram contactados os observadores Argentina, Canadá, Espanha, França, Índia, Itália, Japão, Namíbia, Peru e Turquia.

O conselheiro da ONU sobre Sistemas Alimentares e a Interseção com o Alcan­ce dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável, Zachary Bleicher, avaliou com a CPLP a cimeira global sobre o tema realizada em setembro.

A CPLP é formada por Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Guiné Equa­torial, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste.

Exit mobile version