Em quem é que os portugueses menos confiam? Políticos e vendedores de automóveis

Bombeiros, cientistas/investigadores e médicos são os profissionais em quem os portugueses mais confiam, sendo os advogados, políticos e vendedores de automóveis as profissões com menor índice de confiança, segundo o estudo «Marcas de Confiança», elaborado pela Reader’s Digest há 20 anos, no nosso país.
Nos últimos dez anos, a confiança dos portugueses tem vindo a crescer em instituições como o casamento (74%), a União Europeia (68%) ou organizações ambientais (62%).
Ainda em termos de confiança pessoal, no trabalho é nos colegas que reside maior confiança e na governação, mantém-se em primeiro lugar o Presidente da República (74%), tal como em anos anteriores. Depois do primeiro ministro (56%) é no Presidente da Junta de Freguesia que sentem maior confiança (48%) à frente do Presidente da Câmara e dos líderes de oposição.
No sentido oposto, tem vindo a aumentar a descrença na polícia que agora recolhe apenas metade dos votos dos portugueses (face a 73% em 2015), ou a banca que se fixa nos 42%.
Este ano, organização decidiu acrescentar cinco novas categorias, nomeadamente brinquedos/jogos didáticos, centros comerciais, robôs de cozinha, ginásios/centros de fitness, e ainda, clínicas de implantes dentários.
Importa recordar que este estudo arrancou em 2001 com 18 categorias e, em 2009, incluiu a vertente ambiental, distinguindo mais 10 marcas em categorias específicas e dando origem ao “Selo Ambiental”. Atualmente, são avaliadas 60 categorias, de produtos ou serviços, para além de outras questões de âmbito pessoal, político ou económico, seja sobre instituições, profissões, personalidades ou relações pessoais.
Fonte: ExecutiveDigest

Exit mobile version