Espanha. Edifício de apartamentos mais alto da UE finalmente concluído em Benidorm

O Intempo tem 187 metros de altura e conta com 47 andares e é o edifício de apartamentos mais alto da União Europeia.

Edifício de apartamentos mais alto da UE finalmente concluído em Benidorm

Após 17 anos de contratempos, o arranha-céu Intempo foi finalmente concluído e espera-se que ajude a transformar a cidade espanhola de Benidorm numa espécie de Miami do Mediterrâneo.

As suas torres gémeas contêm também o elevador mais rápido de Espanha, que sobe a uma média de 4,2 metros por segundo, podendo chegar ao último andar em apenas 52 segundos.

As torres do edifício estão ligadas no topo por uma estrutura em forma de diamante, onde o preço de um apartamento é de cerca de dois milhões de euros. Noutras partes do edifício, os preços mais baixos são de 257 mil euros.

A conclusão da obra surge numa altura em que Benidorm, tal como muitas cidades turísticas, sofreu o impacto da queda de turistas estrangeiros devido às restrições para combater a pandemia de covid-19. Contudo, 100 dos 256 apartamentos do Intempo já estão pré-vendidos – cerca de 60% para espanhóis e o restante para russos, escandinavos, alemães e belgas.

Ainda assim, Benidorm não é um destino turístico de luxo. Segundo Michelle Baker, do canal Benidorm Forever do YouTube, existem dois Benidorms: um para os ricos, na praia de Poniente, onde fica a Intempo, e um para os menos abastados, no Levante.

Baker teceu elogios à obra e recusou a ideia de que se trata de um edifício feio. “Além do Intempo, há o edifício Sunset Beach e a Torre Delfin. A previsão é que a área de Poniente se transforme na Miami de Benidorm… Para mim são peças arquitetónicas notáveis, absolutamente lindas”, afirmou, citada pelo The Guardian.

Embora só agora a obra esteja concluída, o Intempo já passou por muitas mãos. O seu atual proprietário é o fundo SVPGlobal, que pagou 60 milhões de euros para adquirir as dívidas do edifício ao Sareb, um “banco mau” criado para limpar as dezenas de milhares de propriedades inacabadas após a bolha imobiliária que rebentou em Espanha em 2008.

 

Exit mobile version