Estudo: 75% dos consumidores consideram que Black Friday “não faz sentido”

Black Friday, Woman holding many shopping bags while walking in the shopping mall background.

Um inquérito efetuado pelo Portal da Queixa revela que a “febre” do fenómeno importado dos EUA está a descer em Portugal e que apenas 30% dos portugueses fez compras na Black Friday de 2020.

O Portal da Queixa refletiu sobre o impacto e o interesse que este evento tem nos consumidores portugueses, com 75% a considerar que o fenómeno “não faz sentido” tendo em conta as várias promoções existentes ao longo do ano.

Porque afinal há descontos o ano inteiro, conclui-se que a “febre” associada à sexta-feira “mais louca” do ano está a arrefecer. Em 2020, apenas 30% dos portugueses fez compras na Black Friday.

É verdade que a maioria dos portugueses compra quando há promoções, mas também é verdade que há marcas com artigos com descontos o ano inteiro. Esta prática instalada veio reduzir o impacto e interesse em eventos promocionais sazonais como a Black Friday.

Questionados se têm por hábito esperar pelas promoções de Black Friday para realizar algumas das suas compras, 50,80% dos consumidores respondeu que “sim” e 49,20% respondeu que “não”.

À pergunta “Em 2020 realizou compras no âmbito das promoções de Black Friday?”, apenas 30,40% respondeu que ‘sim’, e 69,60% respondeu que ‘não’.

Relativamente às categorias que registaram (na Black Friday de 2020), o maior volume de compras, segundo a amostra inquirida, lidera o setor da Tecnologia (telemóveis, computadores, televisões) com 58,60% e, em segundo lugar, a categoria Moda (roupa e acessórios) com 51,60%.

A terceira categoria que registou o maior consumo foi a referente a Livros/Música/Papelaria com 23%. Segue-se a área da Beleza e Cuidados Pessoais, com 15,60%; Produtos Infantis (11,70%); Alimentação e Bebidas (8,60%); Cuidados Animais e “Outros” em ex aequo (6,60%); Mobília e Decoração (5,50%), Viagens (4,70%) e Bilhetes para eventos (1,20%).

Sobre a forma como as compras foram realizadas, os inquiridos responderam: Loja Física (37,90%); Loja Online (46,10%) e em ambas (16%).

Já no que se refere ao investimento, 28,10% disse ter gastado entre 0€ – 100€; 35,50% gastou entre 101€ – 250€ e 19,90% admitiu ter gastado entre 251€ – 500€. Já 6,60% dos inquiridos fizerem compras entre os valores 501€ – 750€ e 9,80% dos consumidores revelou ter feito compra acima dos 750€.

À pergunta “Como avalia a sua experiência com as compras durante a Black Friday?” — entre a pontuação de 1 a 10 —, a maioria dos consumidores inquiridos atribuiu entre os 5 e os 8 pontos, sendo que, a percentagem mais alta (21,90% do universo de inquiridos) atribuiu a classificação de “8” à experiência de compra.

E se os consumidores aproveitam a ocasião para fazer as compras de Natal, o estudo evidenciou que não, com 66,10% das pessoas a responder que não considera a Black Friday uma oportunidade para fazer compras de Natal. Apenas 33,90% respondeu que “sim”.

O inquérito para o “Estudo Black Friday 2021” foi realizado online e abrangeu um universo de 2000 inquiridos, com idades compreendidas entre os 18 e maiores de 65 anos.

A maioria dos consumidores que participou é do género masculino (61,40%). Do género feminino (37,40%); “Outro” (0,40%) e “Prefiro não dizer” (0,80%).

Exit mobile version