EurAfrican Forum 2020 pretende criar zonas de entendimento nas relações entre os dois continentes

O EurAfrican Forum 2020 arrancou esta quinta-feira em Cascais com o propósito de aproximar os dois continentes, contando com um debate virtual entre o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, e o seu homólogo do Gana, Nana Akufo-Addo.

O Fórum, que se prolonga até sexta-feira, vai reunir personalidades dos setores público e privado, sociedade civil, empresários, ativistas e cientistas, para debater cinco desafios ao abrigo do tema “À Procura de Pontos Comuns num Mundo Pós-Covid”.

Os cinco painéis, que incluem uma conversa entre os Presidentes de Portugal, Marcelo Rebelo de Sousa, e do Gana, Nana Akufo-Addo, moderados pelo editor de África do Financial Times, vão debater as “Perspetivas Sobre as Relações entre a União Africana e a União Europeia”, a “Transição Justa da Matriz Energética”, “Made In Africa – Negócios Emergentes e em Aceleração”, “Cultura África a Alimentar o Mundo”, e “Ligando os Desligados”.

O presidente do Conselho da Diáspora Portuguesa afirmou que o grande objetivo do encontro é reaproximar dois continentes que estiveram de costas voltadas até há pouco tempo. “Vemos dois continentes gémeos que têm vivido de costas voltadas nos últimos 50 anos, e o grande objetivo do Fórum é conseguir uma reaproximação da Europa com a África, e que Portugal seja a plataforma instrumental para a relação entre os dois continentes”, disse Filipe de Botton, na antecipação do Fórum, que se prolonga até sexta-feira, numa parceria com a Câmara de Cascais.

O presidente do Conselho da Diáspora Portuguesa explicou que o encontro foi readaptado “para ser um fórum digital”.

“Temos o prazer de ter mais de 3.500 inscritos para assistir, o que demonstra que a junção da plataforma Europa e África era algo que se impunha, já que mais de 70% dos inscritos são provenientes de África”, acrescentou.

“Procuramos zonas de entendimento nas relações entre África e a Europa, no primeiro ano falámos da confiança que não existia, depois sobre as parcerias, e agora três grandes pilares, que são a diversidade, as diásporas e as relações políticas, económicas e culturais”, concluiu Filipe de Botton.

O Conselho da Diáspora Portuguesa é uma organização privada sem fins lucrativos, com 95 membros em cinco continentes e tem por missão “alavancar o poder da diáspora, de forma a promover conversas e conexões globais sobre assuntos de cultura, impacto social, ciência, negócios e economia”, segundo a organização.

Exit mobile version