Jornalista português em Cabo Verde conquista prémio por reportagem sobre ambiente

O jornalista da agência Lusa em Cabo Verde, Ricardino Pedro, foi distinguido com o Prémio Jornalismo Ambiental 2020, na categoria Imprensa Escrita, por uma reportagem sobre a transformação de garrafas de plástico em azulejos no arquipélago.
O anúncio feito pela Associação para a Defesa do Ambiente e Desenvolvimento (ADAD) e pela Rede de Jornalistas para o Ambiente (REJA), responsáveis pela organização do prémio atribuído “aos melhores trabalhos divulgados pelos órgãos de comunicação social e produzidos por jornalistas profissionais” no género grande reportagem.
A distinção deve-se às reportagens “Oito garrafas de plástico para produzir um azulejo que salva o ambiente em Cabo Verde” e “Benvindo, o catador com ‘olho de águia’ para o plástico em Cabo Verde”, publicadas em 01 de julho de 2019, nas quais o jornalista aborda a recolha de garrafas de plástico ‘pet’ pelo arquipélago lusófono e a transformação em azulejos.
Ricardino Pedro referiu à Lusa que este é “um prémio muito importante” para si, uma vez que o ambiente é um tema que lhe é querido: “Gosto de fazer estas coisas”, acrescentou.
Ricardino Pedro assinalou a importância da sensibilização da comunidade para o ambiente e as alterações climáticas, em que consequências como a seca afetam, por exemplo, a produção agrícola em Cabo Verde.
Para o jornalista, a reportagem teve um significado especial, uma vez que retrata uma iniciativa ambiental tomada na ilha de Santo Antão, de onde é natural.
Ricardino diz que agora vai analisar como vai poder utilizar parte do valor pecuniário recebido – 60.000 escudos (545 euros) – para ajudar a fábrica ou a pessoa que recolhe as garrafas de plástico na ilha.
O jornalista considera que este é um prémio partilhado com a fábrica MT Segredo Azulejos.
“Disse ao responsável da fábrica que nós ganhámos. Nós todos”, concluiu.
 

Exit mobile version