Lesado do BES confronta advogados de Ricardo Salgado à porta do Tribunal

Um lesado do BES presente no Campus da Justiça, onde hoje começa a ser julgado Ricardo Salgado, disse ter a confirmação do advogado do banqueiro de haver uma provisão para o dinheiro perdido pelos antigos clientes.

No momento em que os advogados de defesa do antigo presidente do Banco Espírito Santo entravam no edifício do Tribunal Central Criminal de Lisboa, para o início do julgamento do ex-banqueiro, Jorge Novo confrontou os representantes de Ricardo Salgado: “Podia perguntar ao senhor Ricardo Salgado se na verdade deixou a provisão. É só a confirmação da provisão”.

“O senhor Ricardo Salgado está a defender-se em todos os processos e também para defender os factos que demonstram que podia não haver lesados”, respondeu de forma sucinta Francisco Proença de Carvalho, que chegou ao Campus da Justiça acompanhado pelo colega Adriano Squilacce.

Aos jornalistas, Jorge Novo mostrou-se satisfeito com as declarações do advogado: “Esta declaração agradou-me porque confirma que deixou uma provisão no BES que transitou para o Novo Banco”.

No caso de Jorge Novo, de 64 anos, estão em causa “mais de cem mil euros” de uma poupança feita ao longo da vida, contou aos jornalistas o homem que hoje de madrugada saiu de Oliveira de Azeméis para participar numa manifestação de apenas cinco pessoas, do outro lado da rua do tribunal.

Por volta das 13:00, Jorge Novo foi interpelado pela polícia por estar na porta principal do tribunal com uma máscara de proteção onde se lia “ROUBADO BES”. Os agentes explicaram que a manifestação era do outro lado da rua e para permanecer naquele local teria de usar uma máscara descaracterizada.

“Todos os emigrantes e lesados no papel comercial pedem responsabilidades ao Novo Banco, Banco de Portugal e ao Governo”, afirmou em declarações aos jornalistas, acrescentando que gostaria que Ricardo Salgado estivesse hoje presente para “confirmar novamente que deixou uma provisão no BES”.

O ex-banqueiro de 77 anos voltou a não comparecer hoje no Campus da Justiça, onde pela terceira vez está previsto o início do julgamento, em que responde por três crimes de abuso de confiança, devido a transferências de mais de 10 milhões de euros no âmbito do processo Operação Marquês.

O início do julgamento esteve previsto para 07 de junho, mas foi adiado devido ao prazo para a defesa apresentar a contestação à acusação do Ministério Público (MP), que não havia ainda terminado nessa data.

Uma semana mais tarde, no dia 14, o julgamento voltou a sofrer novo adiamento, para hoje, depois de o MP ter pedido prazo para analisar documentos. O procurador Vítor Pinto explicou que era “humanamente impossível” analisar toda a documentação da contestação do arguido, composta por 191 páginas e 173 documentos, e iniciar então o julgamento.

A defesa de Salgado, representado nesse dia por Adriano Squilacce, concordou com o adiamento e fez referência à contestação apresentada e ao facto de ter alegado nulidades e irregularidades, por discordar que o julgamento, nomeadamente a audição de testemunhas, se realize sem a presença do arguido, ausência que disse estar justificada pela lei em tempo de pandemia de covid-19. Porém, o juiz já expressou um entendimento distinto.

Além da sessão de hoje, o juiz Francisco Henriques já agendou sessões até finais de setembro.

O antigo presidente do BES foi pronunciado pelo juiz de instrução da Operação Marquês, Ivo Rosa, por três crimes de abuso de confiança, em processo conexo e separado da Operação Marquês.

Exit mobile version