PGR angolana tentou interrogar Isabel dos Santos nos Países Baixos. Empresária saiu do país

A Procuradoria-Geral da República (PGR) de Angola tentou interrogar Isabel dos Santos, filha do ex-Presidente angolano, nos Países Baixos, mas esta não acedeu e abandonou o país.

“Tivemos conhecimento de que Isabel dos Santos estava na Holanda. Mediante carta rogatória, solicitámos que fosse notificada da sua qualidade de arguida e fosse interrogada”, disse à Lusa uma fonte judicial.

O Jornal de Negócios avançou, na quarta-feira à noite, que a justiça angolana tentou deter a empresária nos Países Baixos, em junho, o que a PGR negou.

“Em nenhum momento se requereu detenção ou prisão”, indicou a fonte da PGR, informando que Isabel dos Santos, ao ser abordada pelas autoridades “não aceitou notificação, nem audição, tendo abandonado o país”.

Na quarta-feira, o Procurador-Geral da República, Helder Pitta Gróz, recebeu, no Palácio da Justiça, o embaixador do Reino dos Países Baixos, Tsjeard Roelf Hoekstra, tendo sido abordados assuntos no domínio da justiça, numa ocasião em que o Procurador saudou “a excelente relação existente entre os dois países”.

Helder Pitta Gróz assegurou, segundo um comunicado da PGR, “que os fluxos financeiros ilícitos têm sido veementemente combatidos, com medidas assertivas de recuperação de ativos ilicitamente retirados do erário” e considerou que o reforço da cooperação internacional e a capacitação de quadros são “as grandes prioridades institucionais”.

A filha do antigo Presidente angolano, José Eduardo dos Santos, está na mira da justiça angolana e de outros países há vários anos, tendo as suas contas bancárias e participações sociais em várias empresas sido alvo de arresto.

Em dezembro de 2019, o Tribunal Provincial de Luanda decretou o arresto preventivo de contas bancárias pessoais de Isabel dos Santos, do marido, o congolês Sindika Dokolo (entretanto falecido), e do português Mário da Silva, e de várias empresas nas quais a empresária detém participações sociais, por alegados negócios que terão lesado o Estado angolano.

Foram também arrestadas participações relativas a várias empresas em Portugal.

Em janeiro de 2020, o Consórcio Internacional de Jornalismo de Investigação revelou, também, mais de 715 mil ficheiros, sob o nome de ‘Luanda Leaks’, que detalham alegados esquemas financeiros da Isabel dos Santos e do marido, que lhes terão permitido retirar dinheiro do erário angolano através de paraísos fiscais.

 

Exit mobile version