Portugal arranca amanhã com nova fase de desconfinamento

O Governo decidiu antecipar a segunda fase do plano de desconfinamento e admitiu mesmo vir a antecipar também a terceira.

Portugal deixa de estar em estado de calamidade e passa, a partir de agora, a estar em estado de contingência, anunciou a ministra da Presidência, no final do Conselho de Ministros extraordinário.

Mariana Vieira da Silva anunciou também que a segunda fase do novo plano de desconfinamento arranca amanhã (dia 23 de agosto), uma vez que o país já alcançou a meta de 70% da população vacinada.

Assim sendo, a partir de amanhã, o número limite de pessoas por mesa passa de seis para oito no interior dos restaurantes e cafés, e de dez para 15 pessoas no exterior. Os casamentos e batizados terão lotação de 75%, bem como os eventos culturais.

A partir de 1 de setembro, deixa também de ser necessário fazer marcação prévia para ser atendido nos serviços públicos.

Quanto ao comércio, mantêm-se os horários de agosto e continua a ser necessário certificado digital ou teste negativo para o acesso ao interior dos restaurantes aos fins de semana e feriados, bem como para aulas de grupo nos ginásios, hotéis e alojamentos turísticos, eventos desportivos e viagens por via aérea ou marítima.

Os transportes públicos, incluindo no táxi e no transporte individual de passageiros em veículos descaracterizados, deixa de ter limites de lotação já esta segunda-feira.

Já o teletrabalho continua a ser recomendado sempre que as funções o permitirem.

A governante reconheceu ainda que “é natural que também possamos chegar mais rápido à terceira fase” de desconfinamento, prevista para outubro, mas não se comprometeu com datas.

Questionada sobre o encerramento dos centros de vacinação, Mariana Vieira da Silva adiantou que “só quando atingirmos os 85%” da população vacinada “devem ser tomadas decisões”.

Quanto ao fim da obrigatoriedade do uso de máscara, a ministra lembra que a decisão “cabe à Assembleia da República”, até porque é um assunto que mexe fortemente com “direitos, liberdades e garantias”.

Exit mobile version