Receitas das portagens da IP caíram 56 milhões em 2020

portagens autoestrada

Gestora pública de estradas e de caminho de ferro registou prejuízos de 56 milhões de euros por causa dos efeitos da pandemia, diz António Laranjo, presidente da Infraestruturas de Portugal.

A pandemia atirou a Infraestruturas de Portugal (IP) para prejuízos. A gestora pública de estradas e da ferrovia registou perdas de 56 milhões de euros em 2020, segundo o comunicado divulgado esta sexta-feira junto da Comissão do Mercado de Valores Mobiliários. Só nas portagens, a IP arrecadou menos 56 milhões de euros face a 2019.

2020 foi o primeiro ano em que a IP registou prejuízos desde que foi criada, em 2015, pela fusão da Estradas de Portugal com a Refer. Por conta da pandemia – e da menor mobilidade dos portugueses -, a empresa pública perdeu receitas nas suas principais fontes de rendimento.

A maior diminuição de receitas, de menos 118 milhões de euros (-16,8%) registou-se na contribuição do serviço rodoviário, que incide sobre os combustíveis, e que é a maior fonte de rendimento da IP. O ganho com esta contribuição caiu para 583,5 milhões de euros.

“O efeito da pandemia COVID-19 sobre o nível de utilização da infraestrutura rodoferroviária sob gestão da IP durante ano de 2020 foi determinante para a queda daqueles rendimentos”, assinala a empresa liderada por António Laranjo.

A empresa, ainda assim, executou 200 milhões de euros de investimento no programa de obras Ferrovia 2020, “significando um crescimento de 49% face a 2019”. A despesa com atividades de conservação de estradas e ferrovia subiram 9% face a 2019, para 181 milhões de euros.

Exit mobile version