São Tomé e Príncipe: Pandemia atrasou as reformas, mas o programa de ajuda é estável

São Tomé e Príncipe: Pandemia atrasou as reformas, mas o programa de ajuda é estável

O Fundo Monetário Internacional (FMI) disse hoje que a implementação do programa de ajuda financeira a São Tomé e Príncipe corre de forma satisfatória, apesar do atraso nas reformas estruturais devido à pandemia de covid-19.

“O desempenho do programa ao abrigo da Facilidade de Crédito Alargada tem sido seguro, apesar de a pandemia ter atrasado algumas reformas estruturais”, lê-se na nota divulgada em Washington, no final de uma visita virtual que decorreu entre de 13 de novembro até segunda-feira, a segunda ao abrigo do programa acordado no ano passado.

No texto, o FMI diz que a economia de São Tomé e Príncipe deverá contrair-se 6% este ano, recuperando depois para 2 a 3% no próximo ano e estabilizando nos 4% a longo prazo: “A pandemia de covid-19 teve um impacto severo na economia de São Tomé e Príncipe, com o PIB a cair 6% este ano devido à fraca procura externa e às medidas de confinamento”, apontam os peritos do FMI.

Nas discussões com as autoridades, o FMI defendeu medidas que “respondam às urgentes necessidades em termos sociais, de saúde e económicas”, detalhando que “o Orçamento para 2021 deve dar espaço para um aumento da despesa social ao mesmo tempo que garante os planos de consolidação orçamental”.

Entre as medidas, o FMI aponta a aplicação de reformas estruturais, a melhoria do ambiente de negócios e o desenvolvimento de setores importantes como o turismo, que são “fundamentais para acelerar a recuperação e aumentar o potencial de longo prazo da economia”.

O setor energético, as empresas públicas e a retirada do país da lista negra da União Europeia sobre as viagens aéreas, também ajudaria a recuperar o setor do turismo, conclui o FMI.

Exit mobile version